terça-feira, 23 de dezembro de 2014

MADRUGADAS EM PINHEIROS #1

triste saber que todos são linguagem,
que não passam as coisas de ambientes;
como se fôssemos nossos pacientes
medicando-nos com sombras de imagens

fugidias, passageiras, disformes,
desencaixadas do mundo real;
tão vazias de sentido, que os homens
tornam ao posto do mundo animal!

tais prédios, tais cores artificiais
excitam olhos que buscam alívio
na cidade, à sombra dos umbrais;

impossível encontrar paz urbana
entre sons e cores do caos horrível:
sonho azul que somente nos engana...

Siga o blog por e-mail